Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

* Padrinhos de Portugal *

* Padrinhos de Portugal *

Precisamos de Padrinhos!!

Olá a todos, mais uma vez cá estou eu com um tema recorrente.

Infelizmente temos vários meninos neste momento a precisar de padrinho. Principalmente na zona da Beira, onde depois do ciclone, ainda há mais famílias carenciadas a precisarem de ajuda. 
Têm amigos, conhecidos, familiares que estejam interessados? 
Desde já muito obrigada a todos,
 
Bjs
 
Catarina

A vida vai retomando... depois do ciclone Idai - Construção

Olá Padrinhos,
 
Estou muito feliz, pela Beira as coisas estão a avançar bem e a solidariedade tem sido muita. Não estamos sozinhos, antes pelo contrário, e se tudo correr bem dentro de pouco tempo teremos o nosso centro de pé e com melhores instalações do que as anteriores (de caniço).
 
Tivemos a fantástica ajuda dos Vamoz -  Voluntários Anónimos de Moçambique -  que nos deram um donativo de  100.000,00Mt - cerca de 1500 euros -, destinado à cobertura do novo edifício e aquisição de materiais/equipamentos perdidos na sequência das intempéries.
 
A associação Hope4Moz também doou 2500 euros para a reconstrução das casas das crianças.
 
Da nossa parte, canalizámos cerca de 2100 euros dos donativos angariados para a reconstrução das casas dos meninos, não só do centro da Beira como também do centro do Alto da Manga.
Ainda este fim de semana recebemos as fotos da família do nosso menino João Tivane da Manga, a montar o novo telhado. 
 
Este fim de semana terminou também a reconstrução dos telhados que tinham voado no centro da Beira.
 
Vamos agora começar com a construção das novas salas que ficaram destruídas com o ciclone Idai.  Em breve contamos ter mais e ainda melhores noticias. 
 
Muito obrigada a todos os que nos têm ajudado a ajudar. Os nossos meninos merecem um novo futuro.
 
Bjs
 
Catarina

Doc5

Doc6

 

A vida vai retomando... depois do ciclone Idai - Doações

Olá  Padrinhos,
 
Na Beira, o centro continua a tentar prosseguir com o seu normal funcionamento. Estamos em fase de analisar orçamentos para avançarmos quanto antes com a reconstrução.
 
No Alto da Manga os meninos já começaram a reconstruir as suas casas com as chapas que os Padrinhos de Portugal ofereceram. 
 
A associação Hope4Moz enviou também 1000 euros para compra de material escolar, pois com o ciclone os meninos perderam todo o material que tinham. 

No dia 30 de Abril o centro teve também a visita de uma Associação dos Estudantes Universitários que trouxeram alguns materiais escolares para os meninos vítimas do ciclone Idai.

Vão ai algumas fotos…

Bjs

Catarina

Doc3

Doc4

 

A vida vai retomando... depois do ciclone Idai

Olá Padrinhos,

Depois do ciclone e apesar de ainda não termos iniciado a reconstrução do centro da Beira - estamos neste momento a pedir orçamentos - já estamos outra vez em funcionamento, a receber os nossos meninos.

Como as construções de caniço caíram e as de alvenaria não têm telhado, a nossa equipa em conjunto com os nossos miúdos construíram uma estrutura de forma a ter um espaço à sombra para fazerem as refeições e puderem estudar. Não é perfeito mas é um passo em frente depois de tudo o que aconteceu.
 
Acima de tudo, abrirmos as portas novamente e retomar as rotinas diárias é para todos os nossos meninos o inicio de um regresso à normalidade que o ciclone tinha destruído. 
 
Muito obrigada pelo apoio de todos vós.
 
Um bjo
 
Catarina
 

Doc1

Doc2

 

 

A nossa ajuda está a chegar

Olá Padrinhos,

Esta semana foram transferidos 3 mil euros para a Beira para ajudar na recuperação das casas de toda a equipa que trabalha no centro dos nossos meninos. 

Também estes perderam muito com o ciclone e faz todo o sentido que a nossa ajude chegue também aos que todos os dias zelam pelas nossas crianças.
 
Obrigado por continuarem a ajudar!
 
Bjs
Catarina

Testemunho da madrinha Isabel na visita a Moçambique

A madrinha Isabel foi uma das madrinhas que me acompanhou na minha última visita a Moçambique, aqui fica o seu testemunho:

 

"Na vida há, de facto, coisas que não têm preço. E, depois, há aquelas às quais damos um valor que não têm.

Quando decidi ir a Moçambique estava convencida de que levava muito para dar. Não só na bagagem, mas também uma parte de mim. Par dar. Tinha, há muito tempo, uma enorme vontade de conhecer no terreno o projecto dos Padrinhos de Portugal, de “ver ao vivo” os retratos dos meninos que a Catarina nos enviava por email e de ouvir na primeira pessoa as suas histórias. É que apesar da “proximidade” que a Catarina cria connosco, a verdade é que a distância é grande, demasiado grande.

Este ano decidi ir e não poderia ter feito melhor escolha!  E eu que ia para dar, fartei-me de receber!

Logo à chegada, recebi um côro de sorrisos e abraços que me embargou a voz e apertou o peito. De repente, ali estava eu, em Marracuene, com os meninos que há anos desfilavam no monitor do meu computador… e que agora ganhavam corpo e voz. A simplicidade como tudo funciona, a alegria que nos contagia, as rotinas do Centro, os sorrisos de quem por lá trabalha para que tudo possa “acontecer” e aqueles meninos! Aqueles meninos! Percebi, finalmente, a verdadeira dimensão deste projecto e a diferença que faz na vida destas crianças. Como dizia no início, há coisas que não têm preço!

Percebi o quão importante são as contribuições mensais dos padrinhos, mas também como são importantes uma carta, uma fotografia, um telefonema que lhes possamos fazer chegra. Gostam de saber quem somos, o que fazemos, quantos são em nossa casa. Gostam de saber que nos lembramos deles, que nos preocupamos. Gostam de saber que estamos perto, mesmo estando longe.  Sei que não é fácil “encaixar” estes meninos no nosso dia-a-dia, mas percebi que tenho de o fazer. É de facto importante e, claro, não tem preço!

Como não tem preço o que nos ensinam. Que a vida é bem mais simples e descomplicada do que imaginamos. Qua há coisas às quais damos, sem dúvida, uma importância e valor que não têm ou que não podem continuar a ter.

Eu que ia para dar, dei por mim a receber.

A mala de viagem voltou quase vazia e já está desfeita, ao invés, eu trouxe os bolsos cheios de histórias para contar e uma enorme vontade de voltar!"

56496353_2197761213637097_5815980696308547584_n

 

Mais notícias da Beira (ajuda alimentar e de higiene)

Olá padrinhos,

 

E ontem recebemos mais um carregamento de produtos para os nossos meninos da Beira:
2 sacos grandes de fraldas.
1 saco grande papel higiénico 
1 saco grande de pratos de plástico 
30 kits alimentares
1 saco grande de guardanapos 
1 saco grande com farinha 
1 caixa de loiça
1 saco com utensílios de cozinha
1 caixa com pastas para escola
1 caixa de sapatos de mulher
2 kits de alimentação e higiéne
1 caixa de pratos de plástico (200uni)
2 sacos de pensos higiénicos
1 kit loiça de cozinha
18 papas Cerelac 
3 pacotes de fraldas individuais
1 caixa de roupa
1 caixa de detergente
1 caixa de sapatos para crianças. 

 

Muito muito obrigada mais uma vez aos “Voluntários Anônimos do Barco Solidário que veio de Maputo com 14 mil toneladas”   #padrinhosdeportugalhttps://web.facebook.com/voluntariosanonimosmoz/
Muito obrigada também a todos os padrinhos e amigos que têm-nos dado donativos monetários para a reconstrução do centro e ajuda nas casas dos meninos. Tem sido fantástico ver como temos tantas e tão boas pessoas a ajudarem-nos.
Bjs
Catarina

Doc3 (1)

Doc1

Doc3

 

 

 

Apoio alimentar após ciclone Idai

Olá Padrinhos,
Temos as primeiras notícias da chegada de ajuda às famílias dos nossos meninos.
Fomos contactados pelos "Voluntários Anónimos do Barco Solidário" que veio de Maputo com 14 mil toneladas e  conseguimos que fossem doados aos meninos 100 kits com alimentos, produtos de higiene, água, etc... Conseguimos também 39 caixas com roupas, 2 sacos de loiças e kits de cozinha, cobertores.
Segundo o que a Avó Adélia me escreveu ontem os meninos estão tão felizes pelas doações que quase se esquecem da situação passada.
O terreno finalmente está a ficar seco e agora vai ser altura de reerguermos o centro com a preciosa ajuda das várias doações bancárias que têm estado a chegar.
Desde já muito obrigada a todos. 

857738e0-12d1-44a5-9245-c8926e7163ff

23a6eac2-549f-4489-aa47-d62b1e96762b

d48404f3-6bf9-494a-a49f-343fe43e4401

Pelos nossos meninos.
Obrigada

O que o ciclone Idai fez ...

Olá Padrinhos,

 

A cidade da Beira ficou 90% destruída pelo ciclone e o nosso centro ao que me transmitiram não ficou incólume e sofreu danos significativos. Aqui vão algumas fotos do estado em que está o centro dos nossos meninos na Beira.

 

Pelo menos as salas novas inauguradas em Dezembro de 2018 ficaram de pé, sem telhado mas com as paredes. Temos que começar a reconstrução com a máxima brevidade para que o centro volte a ficar operacional pelo menos para que os nossos jovens possam ter as refeições diárias. Temos tido informação que estão todos bem mas que a grande maioria terá perdido as suas casas. 

 

Não sei ao certo muita mais coisas pois as ligações continuam cortadas: não há internet, só uma rede de telemóvel está a funcionar desde quarta-feira mas muito mal e a maior parte dos nossos contactos da Beira não tinha rede. Em Maputo conseguiram chegar a falar com a avó Adelia - que está bem- e ao que parece, os nossos meninos do centro da Beira estão abrigados em duas escolas.


Do Centro do Alto da Manga ainda só consegui saber do paradeiro de um dos jovens, o Agostinho, através do telefone satélite do banco onde está a estagiar. Estou a tentar saber do outros jovens através dele.


Há grande escassez de água e alimentos, as condições são muito precárias mas esperemos sobretudo que todos tenham sobrevivido a esta grande catástrofe.

 

Muitos Padrinhos já me perguntaram se podem enviar coisas, se podem fazer doações em dinheiro, etc...

 

Tem havido uma grande cadeia de solidariedade mas, neste momento, para que a ajuda na Beira seja eficaz tem que ser feita por instituições humanitárias com estrutura para tal. Nós não temos forma de conseguir neste momento reunir os nossos meninos, nem garantir que lhes fazemos chegar os bens de primeira necessidade que precisam. Vamos confiar que as autoridades competentes tomam conta das primeiras intervenções e que, depois disso, possamos assumir a tarefa tão difícil de voltar a erguer os centros dos nossos meninos, tanto o centro da Beira como o do Alto da Manga. E é para este passo que precisarei oportunamente de toda a ajuda possível.

 

Quando as coisas voltarem minimamente à normalidade, quero reconstruir o que foi destruído e junto com as nossas crianças conseguir perceber onde podemos ajudar, tanto no todo como individualmente. As perdas foram de certeza mais que muitas. Para isso, peço que divulguem o nosso pedido de ajuda pois todas as contribuições serão bem vindas. Os nossos miúdos tinham pouco, ficaram sem nada, sei que só juntos conseguiremos recuperar alguns sorrisos.

 

Neste momento e como não tenho forma de garantir a chegada e distribuição de bens materiais, agradeço que as contribuições sejam só monetárias. E todas serão muito bem vindas.

 

Vou para Maputo hoje e irei atualizando as informações sempre que tenha mais notícias sobre as Crianças.

 

 

Peço a todos que divulguem por favor o IBAN para possíveis doações.
PT50 0010 0000 2477 0110 0017 5

 

Muito obrigada,
Catarina

 

Doc1

Doc2

Doc3

Doc4

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Este projeto começou em Novembro de 2002, depois de ter estado dois meses a trabalhar como voluntária na Cidade da Beira, em Moçambique, junto de crianças extremamente carenciadas. A vontade de fazer algo mais e com uma maior continuidade, levou a que surgisse a ideia de montar um semi-internato no Alto da Manga, um bairro localizado no mato, acerca de quinze quilómetros da Cidade da Beira. Comecei por pedir a ajuda de um padre e de uma freira locais, que se responsabilizaram desde logo pela gestão do projeto no terreno, e iniciei então a seleção de dez crianças oriundas de famílias bastante desfavorecidas. O projeto começou com 10 crianças e 10 padrinhos. Atualmente são 600 e o esforço que tem sido feito tem levado a que muitos destes meninos tenham capacidade para entrar no mercado de trabalho. Catarina Serra Lopes padrinhosdeportugal@gmail.com
Com 40€ mensais pode pagar as despesas de saúde, uma refeição diária, livros, cadernos, lápis, canetas, matrícula, propinas e farda, a uma criança de Moçambique que dificilmente o poderá fazer sem a sua dádiva.
De forma a potenciar a Associação e a encetar novos projetos, complementares ao apoio às crianças, os Padrinhos de Portugal aceitam contribuições esporádicas de empresas e particulares, sem ser necessário um apadrinhamento permanente. Para efeitos fiscais é passado um recibo ao abrigo da lei do mecenato
Contribua através: NIB - Número de Identificação Bancária 0010 0000 42292330001 85 IBAN - Numero Internacional de Conta Bancária PT50 0010 0000 4229 2330 0018 5 SWIFT/BIC BBPIPTPL

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D